Sociedade Variedades

Fake news e coronavírus: Combinação que pode ser fatal

Hoje é Dia da Mentira, então tá liberado dar aquela “trolada” nos amigos. Só não dá pra brincar com coisa séria né? Falando nisso, a data é oportuna pra falar sobre um assunto muito importante: as notícias falsas, ou fake news. A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) tá exigindo de todos ainda mais atenção com a checagem das notícias, afinal, uma informação falsa pode trazer prejuízos irreparáveis e até levar alguém à morte.

O Ministério da Saúde possui um canal exclusivo para receber informações sobre saúde, incluindo o novo coronavírus, via WhatsApp, por meio do número (61)99289-4640. Qualquer cidadão pode enviar gratuitamente mensagens com imagens ou textos que tenha recebido nas redes sociais para confirmar se a informação procede, antes de compartilhar. A checagem feita pela equipe do Ministério é publicada no site e recebe um selo de Falso ou Verdadeiro, dependendo do resultado da apuração.

Procurar uma fonte oficial é uma das principais formas de confirmar se aquilo que você tem dúvida é mentira ou verdade. Além disso, outros passos são verificar a fonte (o site é conhecido ou você nunca ouviu falar?), buscar informações sobre o autor (um texto pode ser atribuído a alguém que não escreveu, por exemplo), conferir a data da publicação (retirar uma informação verdadeira do recorte temporal e utilizá-la fora de contexto pode ser uma forma de manipulação da verdade) e consultar outras fontes (sites de grandes veículos).

Os boletins epidemiológicos atualizados sobre o avanço do coronavírus no Brasil também podem ser consultados nos sites ou redes sociais dos órgãos municipais ou estaduais de Saúde do seu Estado ou da cidade onde você mora.

A dica é: por mais que pareça verdadeiro, que “faça sentido” ou que tenha “cara de verdade”, não acredite em tudo que lê ou recebe principalmente nas redes sociais. Quem compartilha informações falsas, além de contribuir para a disseminação de mentiras, pode responder judicialmente e enfrentar problemas.

 

Por Camila Mitye
Equipe Zap